Hubiberiaagrotech

Digitalização da agricultura, das mulheres e dos jovens do setor agrícola. O projeto POCTEP HIBA analisa a situação do setor agrícola.

  • Em um evento realizado no âmbito da Semana Europeia das Regiões.
  • Na Espanha, são necessários 200.000 jovens para substituir a próxima geração na agricultura.
  • Apenas 7% das mulheres acima de 55 anos têm mais do que habilidades digitais básicas.

No âmbito da Semana Europeia das Regiões e Cidades, o projeto Hub Iberia Agrotech (HIBA) realizou na última quinta-feira 3 de novembro em Sevilha o evento “A transição digital no setor agrícola”. O projeto HIBA e seus benefícios (Espanha e Portugal)”. Tanto pessoalmente como de forma híbrida, os participantes puderam conhecer a situação do setor agrícola, bem como as ferramentas que estão sendo desenvolvidas para sua digitalização.

Juan Manuel Revuelta, CEO da Finnova, foi o responsável pela abertura do evento, que teve lugar na sede da Fundação Valentín de Madariaga y Oya, em Sevilha. As suas palavras centraram-se, sobretudo, na promoção da empregabilidade dos jovens no sector agrícola e em saber como manter o seu talento. Atualmente, em Espanha, são necessários 200.000 jovens para trabalhar neste campo a fim de criar uma mudança geracional, salientou Patricia Cavanillas, Diretora de Comunicação da Fundação Finnova.

O objetivo deste evento era fornecer os instrumentos para impulsionar a digitalização da agricultura, melhorar a competitividade entre empresas, fomentar a cooperação entre os sectores público e privado e gerar empregos verdes. Alicia Díaz García, técnica do Projeto HIBA, foi responsável pela abertura do Bloco II denominado “Projecto HIBA: Agrodigitalização através do IHL”, que serviu de contextualização. Esta iniciativa de cooperação regional entre territórios centra-se no sector agroalimentar, que é estratégico para a Andaluzia e Portugal. Daí a importância da sua incorporação no mercado digital através da criação de uma rede de centros de inovação digital. Como Díaz salientou durante o seu discurso: “Ao promover uma cultura de inovação e digitalização nas empresas, aumentamos a competitividade do nosso sector agroalimentar”.

Lucía Castro Díaz, Gerente do parceiro do projeto HIBA Datalife, apresentou um diagnóstico da situação do sector baseado em inquéritos que permitem trabalhar mais especificamente no projeto. Os resultados mostram que o sector está melhor digitalizado do que foi considerado antes da realização do estudo. Apesar disso, é necessário que possam aceder a dados que possam trazer riqueza a todos os agentes a fim de poderem promover as “empresas tratoras”. Em conclusão, Castro explicou que “as novas gerações introduzirão a digitalização de uma forma natural e será uma alavanca para que não abandonem as zonas rurais”.

Bloco III: A digitalização na Europa 

Massimiliano Dragoni, um funcionário da Comissão Europeia (DG CONNECT), completou o terceiro bloco do evento centrado na explicação da situação da Europa nesta área. A 9 de Março de 2021, a União Europeia apresentou uma visão que lança as vias para a digitalização da Europa até 2030. Este plano é essencial para que todos tenham acesso às mesmas possibilidades porque, “sem uma população digitalmente habilitada, a capacidade digital estaria concentrada e beneficiaria apenas uma parte da população”. Em conformidade com a agenda para 2030, a UE está a trabalhar em infraestruturas digitais seguras e, sobretudo, mais sustentáveis”, explicou Dragoni.

Bloco IV: Progresso da agro-digitalização em Espanha e Portugal  

  María Teresa Ambrós Mendioroz, Directora-Geral Adjunta para a Inovação e Digitalização do Ministério espanhol da Agricultura, Pescas e Alimentação, foi encarregada de apresentar a situação do sector em Espanha. Na sua apresentação, comentou que o fosso rural-urbano na conectividade é favorável, uma vez que as diferenças entre as duas áreas são mínimas. Esta digitalização não tem apenas coisas boas e Ambrós expôs as sombras disto. Em Espanha, apenas 13% dos homens com mais de 55 anos de idade possuem competências digitais acima do nível básico, e entre as mulheres, apenas 7%. Dos 24 aos 55 anos de idade, as competências são mais frequentes, atingindo uma média de 31,5%. De acordo com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), a idade das pessoas que trabalham na agricultura situa-se entre 34 e 49 anos, o que torna estes dados preocupantes. 

Maria Custódia Correia, Chefe de Divisão/Rede Nacional Rural da Direcção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) de Portugal, esclareceu a situação do seu país no sector, onde, segundo ela, há falta de formação de técnicos em áreas inovadoras e falta de mão-de-obra especializada. As pequenas e médias explorações agrícolas têm maior dificuldade em obter informação tecnológica relevante, uma vez que a conectividade é reduzida nas zonas rurais, que é onde se encontra a maioria delas. Para erradicar a situação, estão a trabalhar para reforçar as competências digitais dos agricultores, simplificar e digitalizar a administração da Política Agrícola Comum da UE e promover a transferência de tecnologia e a partilha de conhecimentos.

Bloco V: As mulheres na nova agricultura

María José Andrade, membro do Conselho Consultivo de Empreendedorismo da Fundação Valentín de Madariaga e presidente da Mujeres Valientes, sublinhou a importância das mulheres no sector. Trinta e quatro por cento das mulheres andaluzas são proprietárias de explorações agrícolas, 14% são criadores de gado e 18% trabalham no sector agrícola. Apesar disso, o estudo do Instituto Andaluz da Mulher revelou que 62,8% da população rural pensa que as mulheres têm uma capacidade natural para realizar tarefas domésticas e 18,3% acreditam que quando têm filhos, a sua vida profissional tem de ficar para trás. Por esta razão, o Conselho acredita que é necessário divulgar estes novos modelos de mulheres agrícolas que necessitam de dados, informação e formação para aprenderem sobre estas novas tecnologias. 

Nuria Ejea Lerdo de Tejada, CEO da G2G Algae Solutions SL, uma empresa que trabalha na biotecnologia utilizando microalgas como ferramenta para a recuperação dos recursos naturais, esteve presente para que o público pudesse compreender melhor a sua apresentação. “Os pulmões do planeta não são a Amazónia como as pessoas pensam, mas microalgas. Eles produzem 70% do oxigénio que respiramos e purificam o ar”, sublinhou Ejea.

Bloco VI: Os jovens na agricultura

Agustín Quesada e Patricia Tejada, Responsáveis de Projectos da UE na Finnova, apresentaram os diferentes programas da União Europeia para facilitar o acesso dos jovens ao sector agrícola. Quesada explicou o programa Interreg Volunteer Youth, que promove a cooperação entre os territórios da União Europeia para encorajar os jovens a apoiar projectos e programas Interreg.

Pela sua parte, Tejada comentou o programa Erasmus, que não é apenas para estudantes e que permite o acesso a estágios em empresas agrícolas que podem tirar partido de jovens talentos e permitir-lhes permanecer nesse emprego. 

Bloco VII: A importância da comunicação no sector agro-alimentar  

Este último bloco, apresentado por Elisa Plumed, Presidente da Associação Espanhola de Jornalistas Agro-alimentares, concluiu o evento. Plumed reuniu toda a informação do dia e concluiu que a agricultura, a pecuária e aqueles que produzem alimentos não comunicaram porque não tiveram essa necessidade, pois é uma necessidade básica. “O problema surge quando a sociedade actual é a da informação, há um constante intercâmbio de dados, pesquisa de mercado, uso contínuo da tecnologia… e por isso a divulgação está a ser democratizada. É importante que o sector compreenda que se não comunicarem, não existem, e se não o fizerem, outros falarão por eles e exporão o que eles querem”, disse Plumed.  O jornalista salientou, acima de tudo, a importância de ter profissionais da informação para realizar estas tarefas.

Sobre HIBA

O Projecto Interreg Espanha-Portugal de Cooperação Transfronteiriça (POCTEP) HIBA irá promover um ecossistema multi-regional centrado na digitalização do sector agro-alimentar em Espanha e Portugal através da criação de uma rede de Pólos de Inovação Digital (DIH) que promove a iniciativa, competitividade e sustentabilidade empresarial, fomentando a recuperação económica pós-Covid19 .

Com um orçamento de 5,3 milhões de euros, 75% co-financiado pelo FEDER (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional) ao abrigo do Programa de Cooperação Transfronteiriça Espanha-Portugal Interreg V-A 2014-2020 (POCTEP), o HIBA tem 19 beneficiários, sendo o Ministério da Agricultura, Pecuária, Pescas e Desenvolvimento Sustentável do Governo Regional da Andaluzia (CAGPDS) o principal beneficiário.